• Parada Literária

Banguê - José Lins do Rego

Atualizado: Fev 14

Ciclo da Cana de Açúcar - livro 3: Banguê (1934)

Romance

Dividido em três partes, Banguê termina a saga de Carlos de Melo, nos leva de volta à paisagem rural dos engenhos e apresenta o rumo que cada personagem levou. Nesta terceira e última parte da trilogia o protagonista narra o fim da vida do grande e imponente senhor de engenho José Paulino - e o fim de um império. Carlos de Melo, personagem que nem de longe se parece com o Carlinhos do primeiro livro, inicia a vida adulta de volta ao engenho do avô. Agora formado e sem ambições a vida do protagonista de Banguê segue num total marasmo e apatia, deitado em sua rede e vendo a vida acontecer à sua volta sem tomar parte dela. Por diversas vezes encontramos certa semelhança entre Carlos de Melo e Bento Santiago, de Machado. É o tipo de narrador em que não podemos confiar cegamente. Lemos o desfecho de toda uma saga narrada pelos olhos dele, pela vida monótona dominada pelo desinteresse e letargia em que vive, até os grandes acontecimentos que vão movimentar e agitar sua vida.

As usinas já são uma realidade aqui, e uma vez instaladas vão devorando os engenhos, um a um, e o destino do Santa Rosa e de seu dono, o grande coronel José Paulino, está traçado. Na terceira parte do romance a narrativa ganha um novo rumo e uma reviravolta incrível acontece.

Um dos pontos altos do romance, e talvez seja esse o principal, é o regime escravocrata instaurado nos engenhos, mesmo após o decreto de 88. Nisto há que se reconhecer que Zé Lins fez com maestria: retratar a vida dos trabalhadores rurais pobres saindo de um regime de servidão e opressão para entrar em outro.


O autor do ciclo da cana de açúcar tem o domínio da pena em descrever cenas emotivas, a paisagem ruralista do sertão e exprimi com precisão os sentimentos dos personagens. Isso tudo torna a leitura prazerosa e fluida. Com narrativa empolgante e de fôlego, José Lins do Rego termina a trilogia e dá continuidade ao fabuloso ciclo da cana de açúcar com os romances subsequentes, O Moleque Ricardo, Usina e Fogo Morto.


Fonte: REGO, José Lins do, 1901 – 1957. Banguê/José Lins do Rego; [apresentação José Aderaldo Castello]. 23ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2011.

22 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo